studynotes

Repositório para armazenar todas as anotações de cursos feitos

View on GitHub

Aula 1 - Apresentando as Estruturas de Dados

Árvore binária: Duas subárvores. A binária tem no máximo grau 2
Grau de uma árvore é definido pelo número de subárvores de um nó.
Grau 0: terminais ou folhas

Tudo que requer hierarquia, pode usar árvore.

Grafo: estrutura de dados não linear; conjunto de nós (vértices) e suas conexões (arcos) entre eles. Não existe limitações para os vértices.

Fila: segue a regra FIFO - first in, first out. Inserção de elementos na fila acontece sempre ao final. Remoção de um elemento sempre acontece no início.

Métodos de pesquisa: sequencial e binária

Lista: mais simples para agrupar dados, formando um conjunto de elementos do mesmo tipo e preservando a relação de ordem linear entre os elementos.

Ordenação: classificação dos dados.

Pilha: inserção de elementos sempre acontece no topo da pilha e a remoção também.

Struct: conjunto de elementos geralmente agrupados sob uma lógica e associados por um nome.

Função: bloco contendo cabeçalho, início e fim. Serve para executar tarefas menores.

Lista encadeada: se caracteriza por não ter seus nós alocados de forma contígua. Cada nó da lista leva o endereço do próximo nó para não perder o encadeamento.

Tipo de dados abstratos (TDA): conjunto de valores e uma coleção de operações que atuam sobre esses valores.

Dimensionando matrizes:

tipo: int, float, double, char, long long int, etc

localizar um elemento da matriz: endereço-base + deslocamento * tamanho do tipo

0 significa que não tem deslocamento em relação ao endereço-base.

\0 finaliza o vetor de char

Aula 2 - Funções

Única função obrigatória é a main.

Modularização: melhorar o entendimento do programa, encontrar erros com mais facilidade, simplificar a manutenção, reutilização de código, etc. São “pequenos programas” conhecidos como funções.

Função

Uma função é um conjunto de comandos limitado por um par de chaves e precedido por um cabeçalho.

Definição de função:

<tipo de função> nome da função (declarações dos parâmetros) {
    <declaração das variáveis locais>
        comandos que formam o corpo da função
    return <valor>; // return; ou nada
}

Protótipo de uma função:

<tipo de função> nome_da_função (declarações dos parâmetros);

Podem ser colocadas antes ou depois da main.

Chamada da função e o seu retorno Quando uma função é chamada, o fluxo de controle é direcionado a executar os comandos da função e depois ele volta para onde foi ativado (se for void) ou ao ponto de onde ela foi chamada, para funções com retorno.

Não podemos desconsiderar o tipo de retorno e os parâmetros caso existam.

Tipos de funções:

  1. Funções sem parâmetros

    No C++ não é obrigatório o uso de parâmetros em todas as funções. Uma função que não retorna nada é do tipo void, e é hierarquicamente considerado abaixo da main. Ela é chamada pelo nome, sem necessitar de comando que a anteceda.

     nomeDaFuncao();
    
  2. Funções com parâmetros

    1. Passagem por valor: uma cópia do valor, ou valores, é passada para os parâmetros formais da função chamada através dos parâmetros reais da função chamadora. Podendo ser representados por variáveis ou constantes.
    2. Passagem por referência: o endereço da variável é passado para a função chamada e dessa forma o valor poderá ser alterado. Em C era passado usando ponteiro, em C++ usa-se a referência (&).

        void troca (float &a, float &b);
      
      1. Passagem por referência por ponteiros (passagem por nome ou passagem por endereço): & é o endereço e * é o conteúdo do endereço apontado
      2. Passagem por referência: referência não é ponteiro, mas ambos manipulam endereço.
Função Significado
void linha(char c, int n); Função que recebe dois argumentos por passagem de valor. Um do tipo char e outro do tipo int, mas não retorna nada para função chamadora.
int descobreIdade(int anoAtual, int anoNas); Função que recebe dois argumentos por passagem de valor. Os dois do tipo inteiro e retorna, para a função chamadora, um valor inteiro.
float areaRetangulo(float, float); Função que recebe dois argumentos reais e retorna, para a função chamada, um valor real.
void troca(float&, float&) Função que recebe dois argumentos que são endereços que armazenam números reais, por passagem por referência. A função não retorna nada para a função chamadora.

Uma função que retorna valor deverá ser chamada através de um comando, não importando se ela tem, ou não, parâmetros. Uma função só poderá retornar um valor!

Return: Uma função que retorna valor terá, obrigatoriamente esse comando no corpo da função. Isso não quer dizer que não poderá ter mais de um comando return no corpo da função. Quando existir múltiplas respostas, poderemos ter vários tipos de retorno. Pode estar presente uma variável, uma constante, uma expressão.

Variáveis locais: variáveis só visualizáveis dentro das funções onde foram declaradas.
Variáveis globais: variáveis declaradas fora do escopo de todas as funções. Pode ser manipulada por qualquer função.

Padrão da main: int main ();
Return da main poderia ser dispensável, pois ele já retorna automaticamente para o SO.
Bom hábito: return 0; ou return EXIT_SUCESS;

Passando uma estrutura de dados homogênea para uma função

Aula 3 - Estruturas heterogêneas

Struct Conjunto de elementos, geralmente, agrupados sob uma lógica e associados por um nome. Esses elementos podem ser variáveis simples, matrizes, outras estruturas e até funções. Por essa definição, podemos concluir que uma estrutura pode ser formada por elementos de tipos diferentes. Cada elemento da estrutura é chamado de membro ou campo.

Definição:

struct <identificador> {
    <tipo do membro> <identificador>;
    <tipo do membro> <identificador>;
};

com o nome da struct é possível declarar variáveis, inclusive arrays e nem precisa usar a palavra struct antes. pode ser definida dentro de uma função sendo local ou antes de todas as funções sendo global.

dois métodos de declarar variáveis:

Um membro da estrutura pode ser acessado usando o operador membro da estruturas(.), chamado operador ponto, colocado entre o nome da variável estrutura e o nome do membro.
nomeDaVariavelEstrutura.nomeDoMembro

struct coordenadas {
    int x, y;
};
.
int main(){
    coordenadas a, b;
}

estrutura_coordenadas

Nome da variável estrutura: a
Nome do primeiro membro: x
Nome do segundo membro: y
Acessando o membro x da variável estrutura a: a. x
Acessando o membro y da variável estrutura a: a. y
Nome da variável estrutura: b
Nome do primeiro membro: x
Nome do segundo membro: y
Acessando o membro x da variável estrutura b: b. x
Acessando o membro y da variável estrutura b: b. y

Atribuindo valores aos membros:
1º método: Usando comando de atribuição na hora da declaração das variáveis. atribuindo_valores

2º método: Atribuição na hora da definição/declaração das variáveis. Atribuição de uma estrutura a outra estrutura um ponto a favor das estruturas em relação aos vetores.

struct prod {
char nomeProd[21];
float valor;
} produto1={“martelo”, 35.90}, produto2={“furadeira”, 256.75};

Acessando cada membro de cada variável estrutura do tipo prod
Nome da variável estrutura: produto1
Nome do primeiro membro: nomeProd
Nome do segundo membro: valor
Acessando o membro nomeProd da variável estrutura produto1: produto1. nomeProd
Acessando o membro valor da variável estrutura produto1: produto1. valor
Nome da variável estrutura: produto2
Nome do primeiro membro: nomeProd
Nome do segundo membro: valor
Acessando o membro nomeProd da variável estrutura produto2: produto2. nomeProd
Acessando o membro valor da variável estrutura produto2: produto2. valor

3º método: Atribuição através da leitura via teclado.

struct  prod
{
  char nomeProd[21];
  float valor;
} produto1, produto2;

Construindo um array de estruturas

struct <identificador>
{
...
};
<identificador> nomeDaVariavel;

struct alCad
{
...
};
alCad alunos[15];

struct <identificador>
{
...
} nomeDaVariavel;

struct alCad
{
...
} alCad alunos[15];

Como acessar um elemento do array de estrutura

struct prodCad
{
    int codigo;
    float precoCompra, precoVenda;
};
prodCad produtos[1000];

produtos[1].codigo
produtos[1].precoCompra
produtos[1].precoVenda

Estruturas aninhadas
Usar esta estrutura com membro de outra estrutura que iremos definir/declarar.

struct data {
  int dia, mes, ano;
};

struct pagto {
  int codigo;
  float valor;
  data venc;
} promissorias[2];

estrutura_aninhadas

nomeDoArrayl[deslocamento no array].nomeDaEstruturaAninhada.membro

Passagem por valor: na passagem por valor, passamos uma cópia do conteúdo logo, o valor original não se altera.
Passagem por referência: SAADE, Joel(2003, p.112): “Pode-se dizer que a passagem por referência é uma forma disfarçada de ponteiro”.

Estrutura como parâmetro de uma função: função que recebe uma estrutura para ser manipulada dentro da função.
Estrutura como valor de retorno de função: função do tipo estrutura logo, terá como retorno uma estrutura.
Funções como membros de estrutura: estrutura cujos dois membros são funções. Uma com retorno e outra sem retorno.